Home | Agenda Portal | Cidades | Tecnologia | Webmail               

 

Seu IP: 54.226.4.91


Publicidade

Publicidade ...

Acredite Se Quiser


28-01-2019

A gigantesca ‘catedral’ subterrânea que protege Tóquio de inundações

Um sistema complexo de barragens, diques e túneis defende a capital do Japão do aumento do nível da água. Mas será capaz de enfrentar as mudanças climáticas?

Cecilia Tortajada se lembra de descer uma longa escadaria até se deparar com uma das maravilhas da engenharia do Japão, um enorme tanque de água que faz parte do sistema de defesa de Tóquio contra inundações.

Quando finalmente chegou ao fundo do reservatório, se viu entre dezenas de pilastras de 500 toneladas que sustentam o teto. Na cisterna que mais parece um templo, ela conta que se sentiu "insignificante".

"Você se vê apenas como uma pequena parte diante desse sistema gigantesco", recorda Tortajada, especialista em gerenciamento de água da Escola de Políticas Públicas Lee Kuan Yew, em Cingapura.

"E percebe o quão bem preparado Tóquio está."

Se o Japão é um destino de peregrinação para especialistas em desastres e gestão de risco, como ela, este é um de seus principais templos.

A chamada "catedral", escondida a 22 metros de profundidade, faz parte do Canal Subterrâneo de Escoamento da Área Metropolitana, um sistema de 6,3 quilômetros de túneis e câmaras cilíndricas imponentes que protegem o norte de Tóquio de inundações.

Nas últimas décadas, a capital japonesa aperfeiçoou a arte de lidar com tempestades, tufões e enchentes em rios de águas turbulentas, o que fez com que seu intrincado sistema de defesa contra inundações se transformasse numa maravilha global. Mas o futuro parece incerto diante das mudanças climáticas e da alteração nos padrões de chuva.

A luta de Tóquio contra enchentes remonta à sua história. A cidade está localizada em uma planície cortada por cinco sistemas fluviais turbulentos e dezenas de rios individuais que aumentam naturalmente de volume a cada ano.

A urbanização intensa, a rápida industrialização e extração de água imprudente, que levaram algumas regiões a afundar, acentuaram a vulnerabilidade da cidade.

"Eu não sei quem decidiu construir Tóquio naquele lugar", brinca Tortajada, que trabalha na área de gestão hídrica há mais de duas décadas.

Mesmo que o Japão tenha lidado com enchentes durante séculos, o sistema anti-inundação atual de Tóquio começou realmente a ganhar forma no pós-guerra.

O tufão Kathleen atingiu a capital japonesa em 1947, destruindo cerca de 31 mil casas e matando 1,1 mil pessoas; uma década depois, o tufão Kanogawa (também conhecido como Ida) devastou a cidade com 400mm de chuva em uma semana. Ruas, casas e empresas foram inundadas.

Em meio às consequências catastróficas, o governo japonês intensificou os investimentos nesta área.

"Mesmo nos anos 1950 e 1960, quando os japoneses estavam se recuperando da guerra, o governo estava investindo de 6% a 7% do orçamento nacional em desastres naturais e redução de riscos", explica Miki Inaoka, especialista em desastres da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA, na sigla em inglês).

Os planejadores urbanos precisam estar atentos aos diferentes tipos de inundação em Tóquio. Se chover forte na nascente de um rio, talvez ele transborde e alague comunidades mais abaixo. Um temporal pode desafiar o sistema de drenagem da região. A maré alta ou um tsunami podem ameaçar o litoral. E se um terremoto destruir uma represa ou um dique?

Após décadas de planejamento para os cenários acima e obras ininterruptas, Tóquio possui hoje dezenas de barragens, reservatórios e diques. Se cortarmos a superfície da capital japonesa, como fazemos com um bolo de aniversário, você vai encontrar um labirinto subterrâneo de túneis junto a linhas de metrô e gasodutos que cruzam a cidade.

Avaliado em US$ 2 bilhões, o Canal Subterrâneo de Escoamento da Área Metropolitana, com sua "catedral", é um dos feitos de engenharia mais impressionantes da capital. Concluído em 2006 após 13 anos de obras, é a maior instalação para controle de fluxo de água do mundo, resultado das ações contínuas para modernização de Tóquio.

"O Japão é um país que acredita no aprendizado", diz Tortajada, que visitou o canal em 2017.

"Isso torna a cidade um caso muito interessante para estudo."

O canal drena a água de rios de pequeno e médio porte no norte de Tóquio e bombeia para o Rio Edo, que aguenta o volume com mais facilidade.

Quando um desses rios transborda, a água vai para um dos cinco tanques cilíndricos de 70 metros de altura espalhados ao longo do canal.

Cada reservatório é grande o suficiente para abrigar um ônibus espacial ou até mesmo a Estátua da Liberdade. Eles estão interligados por meio de uma rede de 6,3 quilômetros de túneis subterrâneos.

À medida que a água se aproxima do Rio Edo, a "catedral" que Tortajada visitou reduz seu fluxo, para que o sistema possa bombeá-la para o rio.

Um exercício mental pode explicar a força do Canal Subterrâneo de Escoamento. Imagine uma piscina padrão de 25 metros, cheia até a borda, conectada às bombas de 13 mil cavalos de potência que liberam a água do canal. Se as bombas forem acionadas, seriam necessários apenas dois ou três segundos para esvaziar a piscina, já que elas são capazes de bombear 200 toneladas de água por segundo.

"É como um cenário de ficção científica", diz Inaoka, da JICA, cujo trabalho envolve a colaboração de especialistas de países em desenvolvimento para compartilhar os conhecimentos do Japão.

Ela reconhece, no entanto, que as alterações nos padrões das chuvas vão desafiar a infraestrutura de Tóquio. A mudança climática torna muito difícil planejar com antecedência, diz ela.

Com base nos registros históricos de chuvas, as autoridades de planejamento urbano projetaram os sistemas de defesa de Tóquio para resistir a até 50 milímetros de chuva por hora, especialmente em áreas onde há concentração de moradores e propriedades. Mas o que era considerado normal há 50 anos, não é mais.

Assim como em outras partes do mundo, o número de dias com forte precipitação aumentou nos últimos 30 anos, diz a Agência Meteorológica do Japão, um sinal de que os padrões estão mudando. Algumas estimativas sugerem que, no século 21, poderia haver um acréscimo de 10% na incidência de chuvas no país. No verão, esse número pode chegar a 19%.

O Departamento de Obras do Governo Metropolitano de Tóquio afirma estar ciente dessas mudanças e elevou os critérios de precipitação como resposta.

Em pelo menos três áreas, os projetos agora são desenvolvidos para suportar entre 65mm e 75mm de chuva por hora. Mas especialistas como Nobukuyi Tsuchiya, ex-chefe de engenharia civil da divisão de Edogawa, em Tóquio, afirmam que as autoridades estão demorando muito tempo discutindo o que fazer.

"Infelizmente, a ação de controle de enchentes tendo em vista a mudança climática ainda não foi implementada no Japão", diz Tsuchiya, diretor do Centro de Pesquisas de Rios do Japão.

Em seu livro de 2014, Shuto Suibotsu ("Capital Submersa", em tradução livre), Tsuchiya avisa que Tóquio não está preparada para lidar com os aguaceiros que poderiam chegar com o aquecimento global. Nas áreas baixas da cidade, cerca de 2,5 milhões de pessoas poderiam ser afetadas por inundações, no caso de um aumento recorde no nível da água, e o destino delas deveria ser uma grande prioridade em termos de planejamento, segundo o especialista japonês.

No início de 2018, as fortes chuvas mataram centenas de pessoas e causaram prejuízos econômicos da ordem de milhões no oeste do Japão, à medida que os rios transbordavam. Se isso acontecesse em Tóquio, diz Tsuchiya, a cidade seria devastada.

Esse risco não é exclusividade de Tóquio. Grandes cidades como Nova York, Xangai e Bangcoc se tornarão cada vez mais vulneráveis a inundações e tempestades como resultado da mudança climática e, assim como a capital do Japão, a maioria está avaliando diversas opções e trabalha lentamente para criar novos sistemas de defesa.

O plano de adaptação às mudanças climáticas de Londres, por exemplo, coloca as enchentes como sua principal ameaça, já que um quinto da cidade fica na região do Rio Tâmisa, sujeita a inundações. A área é bem protegida por diques e pela barragem do Tâmisa, no leste da cidade, mas os planejadores urbanos acreditam que pode chegar um momento em que esses mecanismos de segurança não sejam suficientes.

Em Cingapura, Cecilia Tortajada e outros especialistas estão trabalhando para proteger a cidade-Estado do aumento do nível da água nos próximos anos. O Departamento de Obras e Construção local encomendou recentemente um estudo para preparar uma estrutura nacional de proteção costeira e novas medidas a serem introduzidas anualmente.

Mas todo mundo está de olho em Tóquio, tentando avaliar quão bem os tufões e as chuvas de verão desafiam seus mecanismos de defesa.

"Se um país tão preparado quanto o Japão está sofrendo, e uma cidade como Tóquio sofre, todos nós deveríamos estar atentos", afirma Tortajada.

 


Esta matéria possui 259 visita(s)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Deixar um Comentário

bar02_dot1x1_black.gif

 

 

 

 

 

 

 

 

Eleições 2018

 

Tv

 

Paises

 

Saude

Urna eletrônica chega à 12ª eleição no país sob ataque inédito

 

Gracyanne Barbosa posta foto durante treino pesado

 

Casal dos EUA acusado de matar filha adotiva de fome enfrenta prisão no Catar

 

Psicólogo, Psicanalista ou Psiquiatra?

Urna eletrônica chega à 12ª eleição no país sob at...

 

Gracyanne Barbosa posta foto durante treino pesado...

 

Casal dos EUA acusado de matar filha adotiva de fo...

 

Psicólogo, Psicanalista ou Psiquiatra?...


Esta notícia ja foi vista por 142 vez(es)

 

Esta notícia ja foi vista por 2396 vez(es)

 

 

Esta notícia ja foi vista por 551 vez(es)

 

 

Esta notícia ja foi vista por 268 vez(es)

 

 

 

 

Tecnologia

 

Musas

 

Videos

 

Colunista

App do dia: Nossa Água tem calculadora de banho

 

UAU! SIMARIA LEVA DECOTE AO LIMITE E QUASE MOSTRA DEMAIS NA WEB

 

Pintópolis: nome de cidade constrange moradores e acaba virando piada

 

Britânicas oferecem sexo em troca de ajuda para pagar universidade

App do dia: Nossa Água tem calculadora de banho...

 

UAU! SIMARIA LEVA DECOTE AO LIMITE E QUASE MOSTRA ...

 

Pintópolis: nome de cidade constrange moradores e ...

 

Britânicas oferecem sexo em troca de ajuda para pa...


Esta notícia ja foi vista por 392 vez(es)

 

Esta notícia ja foi vista por 596 vez(es)

 

 

Esta notícia ja foi vista por 990 vez(es)

 

 

Esta notícia ja foi vista por 306 vez(es)

 

 

 

 

 

Sem título













 

 

 

 

Empresa

 

Webmail

 

 

 

Últimos Comentários

 

Sem título

Fale Conosco

 

Departamento Comercial

 

Fale Conosco

 

Depto de Marketing

 

Suporte Técnico

Outros Interessantes

 

IPMET(Boletim do Tempo)

Trafego Aéreo

 

Últimas Notícias






Sites

 

A Casa Do Frete

Amigos Da Rede

Aquaponia Renaldo Ramos

Estiva Gerbi

Eu Penso Assim

Portal Aguai

Portal Eg

Portal Estiva Gerbi

Portal Holambra

Portal Mogi Mirim

Portal São João Da Boa Vista

Rcorp Data Center

Santuário Rosa Mistica

Secasa Gerenciamento Imobiliario

Serviços De Ti

 

 

 

 

 

 

 


Sem título

Portal Estiva Gerbi

Notícias, Informações E Entretenimento

 

19988702956 Whatsapp

 

Desenvolvido por Rcorp Data Center © 2019